ADP559

Retrato de Tomaz de Figueiredo

Data
1941
(data atribuída)

Materiais e Técnicas
Óleo sobre tela

Medidas
59,2 x 34,5 cm

Inscrições
«A. Dacosta»
[frente, quadrante inferior esquerdo]

Coleção
Col. Maria Antónia Figueiredo de Santos Loureiro

Historial
 
Tomaz Xavier de Azevedo Cardoso de Figueiredo (1902-1970) foi um escritor que estudou direito em Coimbra,, onde conviveu com o grupo presencista, curso que concluiria em Lisboa. Em Lisboa Dacosta conviveu bastante com o escritor na primeira metade da década de 1940, ambos colaboradores nos mesmos periódicos (jornal Acção, para o qual Tomaz de Figueiredo escrevia desde 1936 chegando a efectuar crónicas e «crítica de pintura»; jornal Diário Popular, onde escreveu algumas crónicas críticas e contos). Dacosta ilustrou alguns trabalhos pontuais de Tomaz de Figueiredo tendo-o retratado algumas vezes. Do espólio do escritor chegou um retrato mais circunstancial a desenho sobre papel [ADD587], que terá antecedido pouco tempo um retrato mais ambicioso a óleo de Tomaz de Figueiredo por volta de 1941 [ADP559], com uma gravata oscilante e rebelde que fornece um toque psicológico à sua figura. Em artigo publicado na Panorama por ocasião da antologia de António Dacosta na Buchholz em 1969, para a qual Tomaz de Figueiredo emprestara as obras de Dacosta de que era proprietário, o escritor relatava – depois de «picar» o artista por ter deixado secar os pincéis após escassos e «avaros» anos de produção – um momento em que esteve com Dacosta enquanto este ilustrava um conto seu: «Elucida – pelo que é aqui de trazer – de como, aí por mil novecentos e quarenta e picos, António e eu nos encontrámos. Ele, a ilustrar-me um conto em que eu falava de um lago onde os peixes morriam de sede. Ele, por gosto, a ilustrá-lo, e por via, especialmente, de tal parente absurdo» (Tomaz de Figueiredo, «A Volta de António Dacosta», in Panorama Lisboa, nº29, Março 1969, pp51-55).



Obras relacionadas